Sete vezes em que as mulheres mudaram o rumo da tecnologia!

Sete vezes em que as mulheres mudaram o rumo da tecnologia!

Por Beatriz Silva, do home office

 

 universo geek já foi um dia dominado por mulheres. No cenário pós-Segunda Guerra, a maioria dos cálculos matemáticos para computadores era realizada por elas. No entanto, a partir dos anos 2000 esse cenário mudou e elas foram desaparecendo das áreas de engenharia e ciência da computação. Hoje, apenas 27% dos profissionais de tech no Brasil são mulheres, de acordo com o Inep.

O crescimento (lento, mas constante) da presença feminina no desenvolvimento de software, hardware e games nos últimos cinco anos tem a missão de diminuir desigualdade e machismo de ambientes dominados por homens. No Dia Internacional da Mulher, o TechTudo traz uma lista especial de sete vezes em que mulheres foram protagonistas na História da tecnologia.

1. O primeiro algoritmo do mundo foi desenvolvido pela Ada Lovelace

Ada Lovelace foi a primeira programadora do mundo — Foto: Reprodução/Science Museum Group

Ada Lovelace foi a primeira programadora do mundo — Foto: Reprodução/Science Museum Group

Filha do poeta romântico Lord Byron, Ada Lovelace foi uma matemática e escritora inglesa do século XIX. Em 1842, juntou-se ao cientista Charles Baggage no projeto da máquina analítica, e escreveu o que posteriormente seria reconhecido como o primeiro algoritmo do mundo. Lovelace, então, é considerada a primeira pessoa a idealizar um programa de computador – a primeira programadora. Baggage não conseguiu finalizar o projeto em vida, mas o legado de Ada Lovelace à programação resiste até hoje.

2. O primeiro computador digital eletrônico, famoso ENIAC, foi programado por mulheres

 

As programadoras do ENIAC — Foto: Corbis/Getty Images

As programadoras do ENIAC — Foto: Corbis/Getty Images

O ENIAC, primeiro computador digital e eletrônico produzido em larga escala, foi programado por 80 mulheres. Desenvolvido inicialmente para ajudar o exército norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial, o gigante de 30 toneladas só começou a funcionar em 1946, três anos após o início da produção. As senhoras da computação na Universidade da Pensilvânia eram responsáveis por alimentar manualmente o computador com equações matemáticas que serviriam para cálculos balísticos utilizados na guerra.

Antes do ENIAC, existiu a Mark I, primeira calculadora eletromecânica automática de larga escala dos Estados Unidos. Criadora da linguagem de programação, a analista de sistemas Grace Hopper foi uma das primeiras programadoras a fazer parte do projeto em 1944.

3. Tá de home office? Agradeça à Mary Allen Wilkes

 

Mary Allen Wilkes foi a primeira pessoa a fazer home office — Foto: Reprodução/Rex B. Wilkes

Mary Allen Wilkes foi a primeira pessoa a fazer home office — Foto: Reprodução/Rex B. Wilkes

Mary Allen Wilkes foi a primeira pessoa do mundo a levar um computador para casa. Programadora e co-autora do manual de programação do primeiro computador pessoal, o LINC, a jovem de 25 anos desenvolveu o sistema operacional LAP6, presente no minicomputador. Ele foi lançado em 1962, enquanto fazia home office na casa dos pais em Baltimore, EUA.

Depois de fazer história, ela largou a carreira como cientista da computação e voltou à faculdade de Direito. Com toda certeza, Mary Allen Wilkes ajudou a transformar o home office em realidade ao ser a primeira pessoa do mundo a fazê-lo.

4. Matches como os do Tinder foram idealizados por Joan Ball

 

Joan Ball criou a compatibilidade computadorizada  — Foto: Reprodução/Nigel Sutton

Joan Ball criou a compatibilidade computadorizada — Foto: Reprodução/Nigel Sutton

Os sites e aplicativos de namoro nunca estiveram tão em alta. De acordo com uma pesquisa feita pelo MatchGroup, um terço dos relacionamentos começa na internet. Apesar dessas relações serem retrato da modernidade, a ideia de achar um(a) parceiro(a) compatível virtualmente não é nova.

Joan Ball foi a primeira idealizadora do Com-Pat, compatibilidade computadorizada em tradução livre. Ela colocou em cartões perfurados as respostas de alguém sobre o que ele(a) não queria em um(a) parceiro(a) e transcreveu para o computador. O programa criado por Joan revelaria no sistema o ‘match’ potencial daquele indivíduo, com nome e endereço da pessoa amada. Bem romântico, não?

5. Carol Shaw, a primeira mulher game designer

 

Carol Shaw foi game designer do sucesso Rive Raid, de 1982 — Foto: Reprodução/Carol Shaw

Carol Shaw foi game designer do sucesso Rive Raid, de 1982 — Foto: Reprodução/Carol Shaw

Carol Shaw é o cérebro por trás dos jogos retrôs mais conhecidos da Atari. Ela é considerada a primeira mulher programadora e designer de videogames. O jogo mais conhecido desenvolvido pela Carol é o River Raid, de 1982. Mas ela também produziu o 3D Tic-Tac-Toe (1979), o Video Checkers (1980) e muitos outros.

6. Victoria Alonso, a executiva que transformou os efeitos especiais da Marvel

 

Victoria Alonso, a executiva geek especialista em efeitos visuais — Foto: The Hollywood Reporter

Victoria Alonso, a executiva geek especialista em efeitos visuais — Foto: The Hollywood Reporter

Hoje vice-presidente de produção da Marvel Studios, Victoria Alonso nadou contra a corrente masculina e inovou em um sem número de projetos da empresa. Produtora executiva e responsável pelos efeitos visuais de filmes como Os Vingadores, Guardiões da Galáxia e Doutor Estranho, Victoria começou como assistente de produção e foi subindo até o top 3 das cadeiras mais importantes da Marvel.

7. A primeira incubadora de apoio a pessoas trans no mercado de tecnologia foi fundada por Angelica Ross

 

Angelica Ross é pioneira na luta pela inclusão de pessoas trans no mundo tech — Foto: Craig Barritt/Getty Images

Angelica Ross é pioneira na luta pela inclusão de pessoas trans no mundo tech — Foto: Craig Barritt/Getty Images

Por fim, mas não menos importante, Angelica Ross, uma mulher trans, deu início à missão de deixar o mercado de tecnologia mais inclusivo ao idealizar o TransTech Social Enterprises. Fundada em 2014, a empresa acolhe, capacita e oferece emprego a pessoas trans que sofreram discriminação ou que têm dificuldade em adentrar o ramo. A cantora e atriz sofreu por anos assédio da família e colegas de trabalho devido à sua identidade de gênero.

Com informações do Estadão

Tell us about your thoughtsEscrever mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Topo
Close Zoom